A história de um retrato


Foi junto à Boca do Inferno. Ele estava lá sozinho olhando o mar.
Pedi-lhe para o fotografar e ele acenou que sim.
Depois de eu disparar, em voz sumida, pediu-me dinheiro.
Como no estrangeiro as moedas não servem, dei-lhe a nota mais pequena que tinha na carteira: 10 euros.
Ficou a olhar para a nota sem compreender o que tinha mão.
O "Alemão" (alcunha do nosso motorista e guia) interveio.
Falou-lhe em português e em dialeto, chamou-lhe várias vezes a atenção para a nota e para o seu valor.
- Olha que isso são mais de 130 mil dobras!!! Não te deixes enganar!!!
Por fim ele pareceu compreender e sorriu.
Já no carro, o Alemão disse-me:
- Oxalá não o enganem. Aquilo vai dar-lhe para muito tempo, para comprar roupa, sapatos, comida…


4 comentários: